sábado

routine


 quando veio, mostrou-me as mãos vazias, as mãos como os meus dias, tão leves e banais.
e pediu-me que lhe levasse o medo, eu disse-lhe um segredo: "não partas nunca mais".
abraçou-me, como se abraça o tempo,a vida num momento em gestos nunca iguais.
e parou, cantou contra o meu peito, num beijo imperfeito, roubado nos umbrais.
e partiu, sem me dizer o nome, levando-me o perfume, de tantas noites mais.

pedroabrunhosa.

1 comentário:

m. disse...

adorei, adorei!